fbpx

Doença autoimune neurológica rara afeta principalmente mulheres

Trata-se da miastenia gravis, sobre a qual o neurologista Caio Grava Simioni diz poder ser comparada a um reumatismo do sistema nervoso e que se manifesta de duas formas: a ocular e a bulbar

Miastenia gravis é uma doença autoimune neurológica rara, cuja principal característica é a fadiga e fraqueza muscular. Segundo o Ministério da Saúde, sua incidência varia de cinco a 30 casos por milhão de habitantes por ano, com predomínio entre as mulheres. A doença se manifesta de duas formas, explica Caio Grava Simioni, médico neurologista do Ambulatório de Cefaleia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. A forma ocular dificulta a visão. “O paciente tem uma visão dupla, borrada. Pode ter queda da pálpebra e dificuldade de expressão facial.”

Foto: Reprodução /Accamargo

O neurologista lembra que a forma ocular pode evoluir para um quadro mais severo. Essa é uma situação incomum, mas afeta de maneira mais intensa seu portador. “O paciente tem fraqueza muscular nos braços, nas pernas e, numa situação mais grave, até na musculatura respiratória, apresentando dificuldade para respirar, precisando de um suporte de UTI.” Outra forma de manifestação da doença é a bulbar, em que a pessoa tem dificuldade para articular as palavras e engolir, ficando com a voz mais rouca e com dificuldade de deglutição. Isso prejudica a qualidade de vida e o convívio social.

Sintomas flutuantes 

Os sintomas da miastenia são flutuantes, ou seja, o paciente pode ter períodos em que está bem e outros em que está mais afetado pela doença. É comum, ao final do dia, o portador da miastenia perceber que os sintomas estão piores e isso ocorre porque os músculos foram exercitados durante longo período. Segundo Simioni, a miastenia gravis é uma doença autoimune que poderia, de uma maneira simplificada, ser comparada a um reumatismo do sistema nervoso, uma falha da comunicação do nervo com o músculo. Qualquer pessoa pode sofrer com o problema. A idade de início da miastenia é bimodal, ou seja, as mulheres, mais afetadas pela doença, podem ter o início da deficiência entre a segunda e terceira década de vida e os homens entre a sétima e oitava.

A identificação da doença deve ser feita por um neurologista, que irá solicitar exames de sangue que farão a detecção dos anticorpos, quadro clínico e estudo eletromiográfico. Eles irão confirmar a miastenia gravis e sua intensidade, uma vez que há diferentes níveis de deficiência para seu portador. “Temos pessoas que vão ter uma doença leve, sutil. Em geral, a piora ocorre nos primeiros anos de vida, até o sétimo ano. Depois tem uma fase mais estável e, em alguns casos, pode até remitir, o paciente pode até tirar a medicação, mas é necessário um controle. O tratamento é voltado para os sintomas da doença e para diminuir a autoimunidade”, diz o neurologista.

(Do Jornal da USP)

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *