O vírus e nós. “Chora a nossa Pátria mãe gentil..”

5 de maio de 2020 (do ano que a terra parou)

Continuamos contando nossos mortos.  De acordo com dados oficiais, são 7,4 mil em todo o pais mas sabemos que estes números são subnotificados, ou seja, não dá para contar de verdade quantos já perderam essa guerra. Enquanto escrevo esse texto, alguém está agonizando pela vida ou dando seu último e dolorido suspiro.

Fonte: G1
Fonte: Poder 360
Fonte: Prefeitura de Cotia

A vida é realmente um sopro e está ficando cada vez mais difícil conviver com esse inimigo arrebatador que mata sem dó nem piedade.

Apesar da determinação de isolamento e distanciamento social, a população do Brasil ainda não entendeu que isso é realmente importante para conter a pandemia.  Adesão na maioria das cidades não passa de 50%, quando o recomendado pelos especialistas é de pelo menos 70%.

O sistema de saúde está em colapso, pessoas morrem nos corredores dos hospitais enquanto aguardam por atendimento. Pilhas e pilhas de caixões vão se acumulando e agora as autoridades de saúde investem na compra de contêineres refrigerados para guardar corpos que são enterrados em covas rasas, uns sobre os outros sem despedidas.

Os programas jornalísticos, de comportamento, de entretenimento, quase todos viraram uma espécie de central da desgraça. Se não quiser passar raiva, chorar e se emocionar de tristeza melhor manter a TV desligada.

Enquanto isso em Brasília…depois da presepada que foi a saída do Ministro da Justiça e o discurso resposta do Presidente, único motivo que fez a imprensa e as redes sociais esquecerem um pouco o coronavírus, no sábado, dia da Liberdade de Imprensa, teve manifestação de aliados do presidente da República que continua desdenhando o vírus e o isolamento defendido por TODAS as autoridades sanitárias de saúde e pelos líderes de todos os países. Até Donald Thrump que, no início se comportou como nosso presidente voltou atrás.

E o covid 19 levou um dos filhos ilustres da nossa pátria mãe gentil, Aldir Blanc, aos 73 anos. E o mundo da música chorou e  a dança do bêbado e do equilibrista ficará para sempre na memória. Embora em outro contexto, a letra  composta em parceria com Jõao Bosco e imortalizada na voz da Pimentinha, parece se encaixar perfeitamente nos tempos de hoje:

“… Chora a nossa pátria, mãe gentil

Choram Marias e Clarices no solo do Brasil”

No mesmo dia, para completar a festa no céu, o “Tio Maneco” do grande Flávio Migliaccio, decidiu nos seus 85 anos que esse mundo não dava mais para ele.  “A humanidade não deu certo”, teria dito ele em carta deixada para a família.

E dramaturgia também chorou.

O médico do Pronto Socorro do meu bairro, doutor Denis Torres também se juntou às estatísticas. E pelo menos outras 296 famílias choraram por seus mortos nesta mesma segunda-feira no Brasil. E sabemos que muitas outras irão chorar. O Brasil,  já vem sendo apontado como o próximo epicentro da pandemia do covid 19.

Nossos heróis usam jaleco (Foto: Governo de SP)

Mas a vida segue. E em meio às tragédias,  nossos heróis  de jaleco branco seguem salvando vidas mesmo diante de situações tão adversas, com falta de medicamentos, de estruturas, de leitos, com a falta de humanidade no trato com as pessoas e com o sistema de saúde entrando em colapso, são mais de 21,3 mil pessoas recuperadas que voltaram para suas casas com suas famílias.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *